Faculdade Murialdo

O seguinte texto faz parte da série que busca apresentar alguns dos trabalhos realizados pelos acadêmicos da instituição durante a Atividade Prática Supervisionada (APS)

 

Na Faculdade Murialdo (FAMUR), o protagonismo estudantil na busca do conhecimento é fundamental. Para isso, em todos os semestres realiza a Atividade Prática Supervisionada (APS), trabalho no qual os estudantes são desafiados a realizar uma pesquisa e apresentá-la a uma banca avaliadora. A acadêmica Rafaela Perin Alves, 20 anos, conta que a APS a desafia a cada produção. “Eu consigo perceber a minha evolução e dos colegas. Além disso, no meu caso noto uma melhora constante na dicção e domínio nos temas abordados na hora de apresentar. O que com certeza é de suma importância para que eu esteja cada vez mais preparada para o mercado de trabalho”, afirma.

 

A estudante de Agronegócio trabalhou em sua pesquisa sobre o tema “Aplicação da INC 02/2018 MAPA e ANVISA – Rastreabilidade”. Ela ressalta que tal assunto a interessava e já havia trabalhado em semestres anteriores. “Eu quis ter a oportunidade de aprofundar mais os meus conhecimentos e também dividir minhas experiências com outros colegas. Nós sabemos que é uma exigência recente para algumas cadeias produtivas e que muitas pessoas da nossa área ainda não têm domínio e conhecimento dessa normativa, que deve ser seguida”, comenta.

 

A rastreabilidade de produtos agrícolas é o conjunto de procedimentos que detecta a origem e acompanha a movimentação de um produto ao longo da cadeia produtiva, mediante elementos informativos e documentais registrados. É considerada uma ferramenta de gerenciamento de riscos e ações para aumentar a transparência entre os elos da cadeia produtiva; reduzir os riscos de responsabilidades jurídicas e proporcionar um sistema eficiente de recall de produtos.

 

No Brasil, a aplicação da rastreabilidade de produtos vegetais tornou-se obrigatória segundo a Instrução Normativa Conjunta nº 2/2018, visando a segurança de alimentos e monitoramento de resíduos de agrotóxicos. Dessa forma, para o docente Leonardo Reffatti, o trabalho da acadêmica buscou revisar a legislação e mostrar a aplicabilidade em propriedades rurais da região, visando atender as lacunas existentes na rastreabilidade da cadeia produtiva de vegetais frescos e cumprir com a legislação brasileira e exigências de mercado”, destaca.

 

Devido à pandemia do Coronavírus, as apresentações da APS ocorreram de forma on-line. A acadêmica destaca que ter que mudar o formato de apresentação a deixou um pouco apreensiva, pois estava acostumada com o presencial. Mas, ficou bem feliz com o resultado. “Ocorreu tudo como o planejado e foi uma boa experiência, que também pode ser importante futuramente para mim em outras situações no meu dia a dia profissional”.

 

Vida acadêmica e profissional

Rafaela salienta que a formação acadêmica é de suma importância, pois o mercado de trabalho quer profissionais qualificados. “ Eu utilizo na prática os aprendizados das aulas em meu trabalho, o que me faz crescer mais e agregar mais conhecimento com essa dinâmica simultânea entre a teoria e a prática. E na área do Agronegócio, o networking é muito importante, prática que conseguimos trabalhar muito já na faculdade, trocando ideias e informações com outros colegas que atuam na área”, argumenta.

 

A acadêmica ainda relembra que quando começou a buscar opções de cursos, teve boas indicações da Faculdade Murialdo. “Desde o primeiro dia, sempre fui muito bem acolhida. Gosto muito da instituição pela proximidade e acessibilidade que conseguimos ter com todos os profissionais da faculdade, pela atenção que recebemos dos professores, pela ótima qualidade de ensino que a FAMUR oferece, por se preocupar em, além de formar bons profissionais, formar também bons cidadãos”, finaliza.

Imprimir